O que é Coworking? 52

“Grande parte dos espaços de coworking existentes hoje foram fundados por empreendedores “nômades” de tecnologia, que buscavam locais de trabalho alternativos aos cafés e às suas próprias casas.”

Por: Thiago Dal Bello

Atendendo aos anseios do mercado e, por muitas vezes, como uma saída profissional em tempos de crise, os últimos anos viram surgir uma nova geração de micro e pequenas empresas assim como também o aumento  no número de profissionais liberais. Juntos com estes profissionais, quase sempre bem antenados com as novas tecnologias, o coworking surge como uma forma diferente de atender fornecedores e clientes.

O coworking é um escritório compartilhado que une o prazer de um ambiente diferenciado, com tendências do freelancing e das start-ups. Com isso, os participantes se reúnem com o objetivo de trabalhar e trocar experiências  em ambientes inspiradores e dinâmicos, além de usufruírem dos benefícios financeiros que o compartilhamento oferece. No Brasil, contam-se mais de 100 espaços. No mundo todo, estima-se que já existam mais de 4.000 espaços em funcionamento.

E na prática, o que é o coworking?

No coworking há a vantagem de poder dividir as responsabilidades com o grupo, considerando que também haverá a troca de  experiências com outros profissionais e empresas, tendo assim,  a chance de encontrar soluções para possíveis problemas.

Os perfis dos empreendedores participantes do coworking podem ser bem diferentes, então,  é necessária a adaptação em ambientes também diversos, mas mesmo quem não é ainda adepto deste tipo de negócio  confessa que é, no mínimo, interessante pensar em um ambiente cheio de criatividade onde as ideias não param de surgir e as pessoas têm o mesmo objetivo de compartilhamento e evolução constantes.

” Não é preciso se apegar em um local fixo para exercer as atividades, é isso?”

 Muitas empresas, freelancer (profissionais autônomos) e empreendedores fazem o coworking de escritório, onde, apesar de flexível, criam uma rotina diária. Entretanto,  para desfrutar dessas vantagens, o colaborador não precisa pagar aluguel mensal e frequentar os espaços todos os dias, o escritório  pode ser usado para dias específicos individualmente ou junto com sua equipe, para uma reunião, para um bate papo e assim vai. Muitos lugares, hoje, alugam uma mesa ou uma  sala de reuniões, cobrando pela diária.

No Brasil vem crescendo o Coworking, pois o compartilhamento do espaço além da divisão de custo, atrai os clientes, pois eles podem achar tudo o que precisam em único espaço. Até consultórios médicos já aderiram a  essa ideia, dividindo os espaços com várias especializações.

Desde o seu surgimento, em 2007, no Brasil, os escritórios compartilhados têm acompanhado a tendência mundial, e crescido bastante. Em 2016, apesar da crise, eram 378 escritórios compartilhados ativos no Brasil. Um crescimento de 52% em relação ao ano anterior. A locação de posições de trabalho ainda é principal fonte de receita que mantém um coworking aberto. A locação de salas privativas, de reunião e aluguel para eventos, treinamentos e workshops também apresentam números bastante expressivos quando o assunto é o rendimento dos coworkings, por isso, além das iniciativas individuais, já existem  hoje no mercado, várias empresas que se especializaram em oferecer este tipo de espaço investindo em salas privativas, também conhecidas como escritórios mobiliados. Uma abordagem que ajuda a conquistar clientes mais conservadores, e que só agora estão conhecendo os conceitos de economia colaborativa.

Revista X-Coworking

 

Curta e compartilhe a Revista X!
0
Previous ArticleNext Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *